segunda-feira, outubro 31, 2011

Músicas que marcaram (6)

Agora sem nenhuma ordem, apenas canções significativas. De novo, a primeira de muitas. Vitor Ramil.

domingo, outubro 30, 2011

A Sopa 11/07


Houve um tempo, num passado agora distante, que essa Sopa - que já foi semanal e publicada às segundas-feiras – era dedicada à ficção. Não consegui manter os textos ficcionais por diversas razões e, ao poucos, passei a falar (opinar) sobre assuntos diversos e muito sobre mim. Espero que, em algum momento, eu seja capaz de fazer ficção novamente.

Enquanto isso não ocorre, falemos de um assunto que está nas manchetes de todos os sites de notícias e jornais do Brasil. O Ex-Presidente Lula foi diagnosticado com câncer de laringe, e vai iniciar tratamento. Li as mais variadas manifestações, desde as de apoio (#ForçaLula) até as cretinas, tipo “Campanha para o Lula se tratar no SUS”. Sim, cretinas e hipócritas, e explico adiante.

Como ser humano (e, felizmente, não consigo não sê-lo), fiquei tocado pela notícia de alguém conhecido (não um amigo nem parente, mas um personagem presente em nossas vidas desde, no mínimo, 1989, quando votei nele a primeira vez no segundo turno contra o Collor). Não desejamos um câncer para ninguém. Como médico, é um diagnóstico de uma doença tratável e com possibilidade de cura (não sei se o melhor tratamento não seria o cirúrgico, o que poderia resultar na perda da fala, mas isso é outra história). Como brasileiro, vejo um ex-presidente que teve um papel importante na história do Brasil, quer gostemos dele ou não.

Lamento que muitas pessoas não consigam separar divergências políticas com assuntos muito mais importantes, como saúde e vida. Talvez seja por isso que as coisas estejam assim, mas deixa para lá.

O mais engraçado, aliás, triste, são as manifestações como a campanha para que ele se trate pelo SUS. Vindas, inclusive, por pessoas que conhecem e trabalham no SUS. Eu conheço e trabalho (por enquanto, mas isso é outra história) no SUS, e digo que se querem dar a entender que se tratar pelo SUS é algo ruim, mostram desconhecimento ou má intenção.

Muitas pessoas tratam câncer pelo SUS, e são muito bem tratadas. Aliás, conheço casos de pessoas que – mesmo com convênio, que as deixaram na mão na hora em que precisaram – se trataram pelo SUS e estão muito bem. Dizer que o ex-presidente deveria se tratar pelo SUS como forma de punição é, desculpem a expressão, estupidez. Tratamento da AIDS, câncer os mais variados, tuberculose, tudo se faz bem no SUS.

Que o SUS tem problemas (e rapidez no acesso é o maior deles) todos sabemos. Mas que ele, apesar dos problemas e muito a custo da dedicação (mesmo mal remunerados) dos médicos (a maioria, sempre há os maus profissionais) funciona, todos deveriam saber. E sem nenhum viés político no que digo, por favor.

#
  
Definitivamente, não sou o cara que vai morrer.

Sim, eu sei que um dia, espero que ainda bem distante, é possível que eu venha a encontrar de novo a matungona num descampado, numa manhã de sol, e que dessa vez não vá escapar, pois dizem que é inevitável. Como eu disse, estou ciente dessa possibilidade. O que quis dizer no início dessa Sopa dominical agora com frequência incerta é que saí da frente da fila, já olho para frente e não a vejo (a matungona, a morte) me espreitando.

Ainda esclarecendo, não estava com uma doença e me curei. Melhor, talvez estivesse, mas não importa. Eu me referia a fatores de risco, possibilidades de desfecho.

Meia idade, sedentário, com sobrepeso, estressado.

Eu era uma bomba relógio.

Não sou mais.

O que fiz?

Decidi tomar uma atitude. Marquei férias (há dois anos não tirava) e, exatamente seis meses antes de completar quarenta anos, voltei a praticar atividade física, religiosamente três vezes por semana (o mínimo que gostaria). Fazem poucas semanas, eu sei, não dá para cantar vitória (ainda me considero um sedentário em tratamento), mas foi uma atitude, uma tomada de iniciativa, um vencer a inércia.

O que mudou o meu humor e auto-estima. Para melhor, claro.

Agora penso nas férias, que serão dias de descanso, de leituras (tenho muito o que colocar em dia) de arrumar a casa (em todos os sentidos) e planejar o 2012, que vem cheio de expectativas. Alguns ajustes serão feitos e a rotina sofrerá mudanças em prol da qualidade de vida (assim espero).

Eu gosto muito de anos pares.

Até. 

sábado, outubro 29, 2011

Sábado (e é tempo de livro em Porto Alegre)

DSC_0795
Livraria El Ateneo, em Buenos Aires

Enquanto isso, em Porto Alegre, começa a maior festa literária a céu aberto das Américas...
57ª Feira do Livro de Porto Alegre

quinta-feira, outubro 27, 2011

quarta-feira, outubro 26, 2011

terça-feira, outubro 25, 2011

Músicas que marcaram (2)

Ainda anos 80 e a primeira - de muitas - da Legião Urbana que foram marcantes. Essa, a mais antiga deles que lembro, tocava no "Mingau" da SAPI (Sociedade de Amigos da Praia do Imbé).

segunda-feira, outubro 24, 2011

Músicas que marcaram (1)

Inicio agora uma série com as músicas que marcaram minha vida ao longo do tempo, pelas mais diferentes razões. Começa, claro, pelos anos 80.

terça-feira, outubro 18, 2011

Manuel Flores va a morir




Manuel Flores va a morir,
eso es moneda corriente;
morir es una costumbre
que sabe tener la gente.

Y sin embargo me duele
decirle adiós a la vida,
esa cosa tan de siempre,
tan dulce y tan conocida.

Miro en el alba mis manos,
miro en las manos las venas;
con estrañeza las miro
como si fueran ajenas.

Vendrán los cuatro balazos
y con los cuatro el olvido;
lo dijo el sabio Merlín:
morir es haber nacido.

¡Cuánto cosa en su camino
estos ojos habrán visto!
Quién sabe lo que verán
después que me juzgue Cristo.

Manuel Flores va a morir,
eso es moneda corriente:
morir es una costumbre
que sabe tener la gente.

domingo, outubro 16, 2011

A Sopa 11/06


Já não sou mais o cara que vai morrer.

Nada a ver com isso, mas estava pensando na “polêmica” que envolve uma piada feita pelo Rafinha Bastos no programa CQC, em que afirmou – em resposta ao comentário de que a cantora Wanessa Camargo continuava “muito bem” ainda que grávida – que “comeria ela e até o bebê”. Piada de gosto duvidoso, ou, menos que isso, um comentário sem graça. Que iria terminar aí, no esquecimento. Uma piada que não funcionou. Ponto.

Mas as partes envolvidas – a cantora, seu marido e o sócio do marido – ficaram revoltadas com o fato e pressionaram a direção da emissora a punir de alguma forma o autor do comentário sob pena de retirarem patrocínio e tal e coisa. E o caso tomou proporções muito maiores que tomaria se tivessem ignorado a história, deixando ela no lugar que merecia, uma piada que não funcionou. Tiro no pé.

Eu, que raramente assisto ao programa, estava assistindo justamente na hora em que o comentário/piada foi feito. Ouvi, achei sem graça (inadequado, se quiserem) e esqueci. Só fui lembrar quando da polêmica. Ou seja, os envolvidos – que agora querem processar o autor do comentário – fizeram questão que todo o Brasil (inclusive eu, agora) comentasse e repercutisse o ocorrido. Tenho certeza que a maioria das pessoas nem teria ouvido falar na história se não fosse esse escândalo bobo que eles criaram.

Eu não teria feito a piada por achar de mau gosto, mas não vejo nada demais nela. E defendo o direito dele de fazê-la (como se alguém precisasse da minha autorização...). Existem coisas muito mais graves que são ditas e feitas na televisão e que passam em branco, sem repercussão. Mas como a piada foi feita com pessoas que tem dinheiro, poder e – na minha opinião – pouca tolerância, fizeram todo esse barulho. E esqueceram um detalhe importante.

Destino de piada fraca é o esquecimento.   

#

Ainda no plano das polêmicas (bobas ou não), um pouco sobre a Copa do Mundo e Porto Alegre.

Estão dizendo por esses dias que Porto Alegre vai ficar fora da disputa da Copa das Confederações de 2013, evento-teste para a Copa do Mundo em 2014, porque - entre razões políticas – o estádio Beira-Rio está com obras atrasadas devido à falta de assinatura do contrato com a empresa Andrade Gutierrez, que vai fazer as obras em troca de exploração de espaços do estádio durante o período de cerca de vinte anos.

Inicialmente, digo que só fui/sou a favor (e, de novo, quem sou eu para ser a favor ou contra?) da Copa no Brasil pelos potenciais investimentos, obras de infra-estrutura e melhorias que as cidades (e falo de Porto Alegre, em especial) terão devido ao evento. De resto, achava que o Brasil tinha e tem coisas muito mais importantes a resolver. De qualquer maneira, noves a fora a roubalheira que está e vai acontecer com o dinheiro público, acho que o resultado vai ser positivo (as melhorias de que falei).

E o caso de Porto Alegre?

Quando o Inter tinha a intenção de fazer as reformas no seu estádio com dinheiro próprio, a FIFA pressionou porque queria garantias bancárias de que o Inter seria capaz de fazer as obras. E acho que o Inter fez bem em decidir associar-se a uma construtora para isso, caso contrário acabaria desviando recursos de sua atividade-fim, o futebol, para as obras e não seria bom. Agora, a FIFA pode tirar a Copa das Confederações de Porto Alegre porque o contrato ainda não foi assinado (apesar de sabermos que essa é uma decisão política, que nada tem a ver com isso, mas alguns por aí – não sei com que intenções – tentam passar essa idéia). Bom, nesse caso, que Porto Alegre fique de fora.

O que não pode é atropelar as coisas e fazer um contrato ruim que possa comprometer o clube por duas décadas. Afinal, o Beira-Rio é um dos poucos estádios da Copa que não vai receber dinheiro público (excetuando-se as isenções fiscais).

É isso.

Até. 

terça-feira, outubro 11, 2011