sexta-feira, dezembro 26, 2008

A Sopa 08/22

Ainda o ano que passou.

O ano começou com a notícia da gravidez da Jacque. Foi logo no dia três, após voltarmos do réveillon passado em São Lourenço do Sul. Foram duas noites em que ela teve fortes dores abdominais que, somadas ao atraso menstrual, nos fez pensar que ela poderia estar grávida, mas que poderia ser ectópica (fora do útero) e que essa era a causa da dor.

Mesmo que racionalmente soubéssemos que era uma hipótese improvável, porque se houvesse gestação, e essa fosse ectópica, não seria avançada a ponto de romper a causar dor e um quadro de abdome agudo, marquei uma ecografia de urgência para o dia três pela manhã, e fomos nós. Lá, explicamos tudo para a médica, que confirmou a improbabilidade da dor ter a ver com isso e disse, assim, sem maiores solenidades: “é gestação, é tópica, está ali o embrião e olhem aqui, esse é o coraçãozinho batendo”. Isso queria dizer que eram seis semanas de gestação. Atônitos e radiantes, assim que recebemos a notícia que mudaria o nosso ano e nossa vida, indelevelmente.

Tudo o que veio depois é conseqüência desse dia, dessa notícia.

A minha antiga teoria de que são as pequenas coisas que mudam a vida, não os ditos momentos apoteóticos, grandiosos, que nada mais são que conseqüências dos primeiros, foi desmentida em agosto de 2008. O nascimento de um filho é – sem qualquer sombra de dúvida – um momento gigantesco que instantaneamente muda a vida da gente.

De repente, tudo parece fazer sentido, da mesma forma que coloca as coisas numa perspectiva diferente: quando comparado com a indescritível felicidade que um filho te traz, nada parece tão importante quanto antes. Relativiza tudo. Ou põe as coisas nos seus devidos lugares.

A partir do nascimento de um filho, começa-se a questionar se vale à pena perder tempo com preocupações menores, mesquinhas, mesmo sabendo desde antes, ou desde sempre, que não, não vale. Um filho pode te dar o impulso que faltava para varrer da vida tudo o que não vale manter próximo. Pergunto-me se todo pai sente o mesmo?

Acho que sim.

A paternidade, que pautou o meu ano, primeira na espera (“a vida é um eterno esperar”) e depois com os fascinantes e belos primeiros meses de vida da Marina, acabou pautando quase tudo do pouco que escrevi esse ano, o que deve mudar para o próximo ano, quando A Sopa e o blog completam oito e cinco anos, respectivamente. Mas não posso responsabilizar apenas a paternidade pelo pouco tempo (e inspiração) que tive em 2008: profissionalmente, o ano foi profícuo, e o próximo promete ser melhor ainda, o que quer dizer ter que fazer mais força para dividir meu tempo entre tudo o que faço (e que nunca fiz com tamanha satisfação quanto agora).

Como essa é a última Sopa desse ano, desejo a todos um maravilhoso 2009, com a realização de todos os desejos possíveis e até alguns impossíveis. Que a vida seja doce com todos nós, e que possamos, aqui e ali, nos reunir para celebrá-la e comemorar tudo de bom que ela nos traz.

E quem sabe em 2009 não volte a ter A Sopa de Ervilhas Anual do Marcelo, cuja última edição foi no já longínquo ano 2005, em Toronto?

#

Como falei acima, 2008 foi um ano intenso. Maravilhoso, mas intenso, cansativo até; e o próximo promete ser ainda mais. Por isso, essa Sopa vai ficar offline por alguns dias. Estaremos de férias, a Jacque, a Marina e eu, e iremos para o litoral gaúcho, onde pretendo descansar, ler um pouco – terminar o ótimo Satolep do Vitor Ramil, que está na cabeceira e que compromissos outros não tem permitido – e, claro, curtir muito a minha filhinha. Voltamos no começo do ano novo, na próxima sopa.

Até.

Um comentário:

Sandra disse...

Parabéns pela sua filha. Espero que tenha tempo também de postar aqui na blogosfera.
Uma observação relevante e curiosa é se nos momentos de dores de sua mulher, vocês fizeram todas essas cogitações, se a "parada" era ectópica ou não... deu tempo para isso? kkkkkk.
Feliz 2009 e que tudo de bom aconteça.