segunda-feira, novembro 08, 2021

A Sopa

Não sabemos como será o futuro.

E daí?

 

Nada, claro.

 

Nunca tivemos como prever o futuro com precisão, fato da vida. O que podemos fazer, e usualmente fazemos, é tentar moldar – digamos assim – o que virá a partir de nossos atos no momento presente. A vida é basicamente isso, além de estórias para contar: vamos andando pelo mundo por caminhos que vamos criando – a partir de nossas decisões e/ou atos - enquanto andamos.

 

Sempre penso nas consequências de nossos atos diários, mas não como se fosse algo relacionado ao karma ou algo assim. Vejo como a imagem da pedra atirada no lago: ela produz uma onda que produz uma onda que produz uma onda, assim quase ao infinito. Depois de um tempo, essa onda que vemos tem pouco ou nada a ver com a onda original, onde tudo começou. Pode levar tempo, mas invariavelmente assistimos às consequências de nossos atos.

 

Futebol.

 

Não falo usualmente de futebol por aqui, porque sou o pior tipo de torcedor (@PiorTorcedor, Twitter) que existe, porque futebol para mim é uma experiência solitária, silenciosa. Não sou e nunca fui entusiasta de piadas e gozações relacionadas a isso. Quando meu time ganha, fico feliz, mas na minha. Quando perde, fico irritado, mas na minha, quieto no meu canto.

 

Principalmente porque não gosto de levar flauta, das brincadeiras e gozações quando o meu time perde. Então, não incomodo ninguém para não ser incomodado. Não dou a liberdade a ninguém de me zoar. Por isso, não fico zoando ninguém. Sei que se eu entrar na chuva, vou me molhar, que a banca paga e a banca recebe. Simples.

 

Qualquer pessoa de bom senso sabe que – se tive a chance de tocar flauta em ti porque meu time ganhou – quando o meu time perder serei eu a vítima da flauta. É do jogo, justo. Sempre foi assim.

 

Por isso torna-se incompreensível a atitude de alguns jogadores do Grêmio de quererem briga com um jogador do Inter que passava pelo campo com um caixão estilizado representando o Grêmio caindo para a série B. Criaram uma confusão, briga, esquecendo que pouco tempo antes eram eles que faziam essas brincadeiras por aqui, sem nunca ter havido nenhuma confusão por isso. Se não quer ouvir a flauta, não toca primeiro.

 

Eu não teria feito a brincadeira, mas eu sou o @OPiorTorcedor.

 

É legítimo quem foi vítima da brincadeira seja agora que a faz, e é ridículo quem até ontem debochava do outro agora ficar ofendido ao debocharem dele. Simples assim.

 

Se não quer brincar, não desce para o play...

 

Até.