sábado, maio 28, 2022

Sábado (e elas)

    As meninas (meus amores...)

                                 Bom sábado a todos.

                                Até.

segunda-feira, maio 23, 2022

A Sopa

Zona de conforto.


Dizem por aí os coachs da vida que devemos sair de nossa zona de conforto para poder crescer, evoluir na vida e alcançar o sucesso, seja lá o que isso queira dizer, afinal essa é uma questão de foro íntimo, na verdade. Sucesso é um conceito individual.

 

Confesso que fico meio incomodado com essa “necessidade”, quase obrigação, imposta de se sair da zona de conforto, se desafiar, mudar para “avançar” (de novo, um conceito abstrato). Será que é necessário mesmo?

 

Eu gosto da minha zona de conforto.

 

Como o nome diz, é bom estar lá, é confortável.

 

Por que diabos tenho que sair da minha zona de conforto, onde há um cobertor de lã, um chocolate quente e uma série no streaming que posso assistir com a Marina e a Jacque? Por quê? É lá onde as famílias se reúnem. Onde há churrascos com os amigos, com boas cervejas ou com vinhos bem-conceituados. Onde há livrarias de rua em ruas arborizadas e cafés com mesas na rua, parques para se caminhar, bancos para sentar e apreciar a paisagem. É na minha zona de conforto onde a música serve como ponto de encontro entre as pessoas, que criam conexões e fortalecem laços.

 

A zona de conforto é onde a vida vale ser vivida.

 

Confesso que entendo o conceito que tentam passar, de que seria sinônimo de acomodação, de estagnação – basicamente – do ponto de vista profissional. Sair dessa zona de marasmo seria determinante para alcançar objetivos profissionais que proporcionariam condições de realizar metas de vida pessoais. Uma coisa estaria ligada à outra.

 

Pode ser.

 

O meu caso, no entanto, talvez seja diferente. Estar na zona de conforto e o desejo de me manter lá é o que pode/vai me levar às mudanças que vão garantir que eu não saia dela.

 

Em breve, em breve.

 

Até.

sábado, maio 21, 2022

Sábado (e sobre ontem)

 

   

               Ontem foi dia de ver a Marina (e a banda da School of Rock Porto Alegre) arrasando tocando no Bar do Alexandre (@bardoalexandre), no bairro Menino Deus, em Porto Alegre. Nem a noite fria espantou o pessoal, que foi lá em bom número.




       E também foi oportunidade de dar uma canja com o pessoal.

       Bom sábado a todos.

      Até.

domingo, maio 15, 2022

A Sopa

 Chove lá fora.

Acordo no meu horário habitual de domingo, por volta das sete horas da manhã. Há muitos anos é assim, não consigo (e não quero, na verdade) acordar tarde. Desde os meus dezoito anos, mais ou menos, que – se tivesse que escolher – preferiria dormir mais cedo a acordar mais tarde. Aquilo de dormir até o meio-dia, há mais de trinta anos não sei o que é.

 

Dizia eu que chovia e acordei no horário de sempre.

 

Devidos às condições meteorológicas, a atividade física das manhãs de final de semana foi cancelada, claro. Não vou pedalar. Desde o fina da parada forçada pela hérnia de disco cervical que me obrigou a passar três semanas inativo e com um colar cervical, que não era tão ruim quanto parecia, estou retomando minhas atividades de forma gradual. Academia de segunda à quinta-feira cedo da manhã, deixando a sexta-feira de folga para não ser a correria maluca que estava sendo, e o final de semana de pedal na rua, se a meteorologia permite. 

 

Hoje não permitiu.

 

Como a retomada está sendo gradual, aos poucos aumentando a distância e a intensidade, tudo bem. Na quinta-feira passada acordara cansado (churrasco da Confraria na noite anterior) e acabara não indo à academia. Como, no dia seguinte, minha atividade acabara mais cedo, pude chegar em casa mais cedo e, com o tempo bom, pedalar no final da tarde, aproveitando a temperatura agradável e o pôr do sol na orla da Guaíba. À noite, fomos numa pizzaria na Zona Sul após passarmos em frente ao Bar do Alexandre, no Menino Deus, onde vamos tocar na próxima semana (numa canja antecipando nosso show de 31/05, cujos ingressos estão esgotados – sempre quis escrever isso...). Digo nós falando da Marina e de mim. Não juntos, mas com bandas diferentes. Vai ser bem legal, assim como foi ver a Marina com a banda no verão, na praia.

 

Mas falava da manhã chuvosa de domingo.

 

Tomei café da manhã sozinho, em silêncio, sem pressa, enquanto as meninas ainda dormiam, lendo o jornal do final de semana. Após, trabalho. Ainda envolvido com as declarações de imposto de renda, que tiveram sua entrega adiada de abril para maio. Quase prontas.

 

O domingo será tranquilo e com a família, como devem ser os domingos.

 

Até.

sábado, maio 14, 2022

Sábado (e Por aí, Porto Alegre)


                               Sábado de manhã, o melhor momento da semana...

                               Bom sábado a todos.

                               Até.

terça-feira, maio 10, 2022

A Sopa

Nove de maio, ontem.

 

Aniversário do meu pai, completando – em 2022 – oitenta e um anos. Celebramos no domingo, em casa, junto com a comemoração do Dia das Mães, com as famílias (da Jacque e minha) reunidas novamente após dois de anos de distanciamento pela pandemia. Foi bom, divertido e leve.

 

O nono dia do mês de maio marca, também, na minha memória afetiva, a lembrança da primeira vez que viajei para a Europa, ainda no milênio passado, 1999, quando aguardávamos pelo ano dois mil. Tenho escrito sobre isso anualmente, porque a memória é válida, e boa.

 

Daquela primeira viagem saiu um livro, com a toda a preparação e expectativa para que ela acontecesse, um relato da viagem em si e um encerramento já pensando na próxima. Uni, à época, minha vontade de contar histórias com o gosto por viajar, que ali estava sendo sedimentado. De lá para cá, nesses vinte e três anos, muito viajei, muitos lugares conheci e tive a oportunidade de voltar algumas vezes para países e cidades, e pude criar minhas preferências em determinados lugares.

 

Dizem que viajar amplia a visão de mundo das pessoas, que conhecer lugares e pessoas diferentes tem o potencial de nos tornar mais tolerantes, mais empáticos, até. Acredito nisso. Como diz a música, “o mundo é maior que teu quarto”. Muito maior. Mesmo.

 

Lembro também, naquela viagem de 1999, quando entramos em Paris, vindos do Vale do Loire. Foi pela região da Place D’Italie, sem ter a visão da Torre Eiffel, o que não me fez “acreditar” que estava em Paris, o que só aconteceu quando caminhamos na margem o Sena vindos do Quartier Latin e, ao fundo, a avistei. Foi a primeira de várias vezes, e não esqueço do encantamento, que nunca deixou de existir. 

 

Como em outros locais em que estivemos. Como quando volto para casa.

 

Como encaro a vida.

Até.  

sábado, maio 07, 2022

Sábado (e de volta ao pedal...)

Manhã de sábado, antes do sol

 

                                Bom sábado a todos.

                                Até.