domingo, fevereiro 25, 2024

A Sopa

Eu iria escrever que estava de volta, mas – na verdade – nunca saí daqui, apesar de que esse ano tem sido meio pobre em escritos, confesso, e você, prezado leitor, certamente notou isso.  Explico, porque não é desleixo ou outra razão. 

Entre os projetos que fiz para esse ano, e que foram colocados em execução desde o início de janeiro, está o de finalmente publicar o meu primeiro livro de crônicas. O plano é reunir as melhores crônica publicada aqui nesse espaço nos último vinte anos, organizá-las, e lançar um livro ao longo desse ano. Sempre me disseram que eu deveria fazê-lo, então chegou a hora.

 

O que venho fazendo, desde o início do ano, seguindo um cronograma que fiz e que terminará com a publicação e o lançamento do livro, é selecionar as potenciais crônicas, relê-las, reescrevê-las conforme necessário, abandonar as que acho que não são próprias a isso. Sistematizar por temáticas (o que – talvez – possa resultar em mais de um livro, vai saber). Após selecionadas e revisadas, pretendo iniciar, entre março e abril, a viabilizar a publicação.

 

Não sei a melhor forma de fazê-lo ainda.

 

Conversar com editoras, publicar independente por minha conta, fazer um financiamento coletivo, todas as possibilidades estão abertas. Dois pontos estão definidos, contudo: será – num primeiro momento – um livro físico, e eu gostaria MUITO de lançá-lo e poder ter uma sessão de autógrafos na Feira do Livro, em outubro.  

 

Vamos ver.

 

Posso contar com a tua parceira?

 

Até.

 

PS – Enquanto isso, em paralelo, seguem os eventos da School of Rock Benjamin POA. Março começa com um show no Parcão no dia 09/03, com o Semana da Guitarra, entre 11 e 15/03, o School Day no final de semana de 16 e 17/03. Mais informações em muito em breve.

 

Abraço!

sábado, fevereiro 17, 2024

Sábado (e é hoje!)


Hoje, no Ramblas, em Atlântida, vamos a mais um show da School of Rock Benjamin POA. Teremos Rock 101, a Banda dos Adultos 2 (os mais velhos, eu incluso) e a House Band (com a Marina).

Vai ser uma festa legal.
Bora lá?

Até.

domingo, janeiro 28, 2024

A Sopa

 Sobre o Pensar e o Fazer

Entre os defeitos que sempre reconheci como meus, e abstraindo aqueles aos quais é necessário um olhar externo e isento para serem reconhecidos, preciso falar de dois: a (pouca ou falta de) disciplina e a dificuldade em superar a inércia e executar planos e projetos.

 

Quando falo que o tema disciplina (no sentido de constância, persistência, perseverança) sempre foi um problema, nesse momento falo em termos de passado, porque arduamente venho conseguindo vencer essa dificuldade ao longo dos últimos anos, com avanços e recuos estratégicos, como amiúde acontece em diferentes batalhas. E posso citar alguns exemplos recentes ou nem tão recentes assim, e me refiro aqui inicialmente a questões profissionais, por exemplo.

 

A medicina exige constante estudo e atualização, como todos sabem, e estabelecer uma rotina disciplinada de leituras e estudos de temas médicos e científicos ainda hoje é desafiador, porque requer dedicar um tempo em meio à corrida da vida diária, em meio às diferentes atividades que requerem minha atenção todos os dias, para parar e ler um artigo médico, revisar algum tema de interesse. Já usei diferentes estratégias para alcançar esse objetivo, e essas estratégias vão mudando ao longo do tempo. E é a mesma coisa com outros tipos de leituras.

 

Só que o desafio, a dificuldade é ainda maior. Arranjar um tempo, por menor que seja, para ler literatura tem sido difícil, e as redes sociais têm grande parte dessa culpa. Sim, a culpa é minha, que me deixo levar e perco um tempo demasiado grande nelas. Provavelmente esteja aí o meu maior desafio atualmente, mas é um dos objetivos traçados: reduzir um pouco o tempo online perdido em redes sociais. Tenho tido “vitórias” quando o assunto é disciplina, contudo, e falo com relação à atividade física.

 

Durante muito tempo, quis e não consegui “encaixar” um período do meu dia, ou da minha semana, para a realização de atividades físicas, e me frustrava com isso. Sempre soube da importância, sempre gostei, mas não conseguia começar e – quando começava – não tinha a disciplina de seguir. Tudo dificultava, e o período em que atuava em diversas frentes, com viagens semanais, inclusive, tornavam virtualmente impossível dedicar algum tempo a isso. Até que encerrei algumas dessas atividades (e outras foram encerradas antes do que eu imaginava) e tive maior tempo disponível para mim. Foi quando comecei a pedalar, há cinco anos, aos poucos, evidentemente.

 

Durante seis meses pedalando, mas limitado pela meteorologia, pelo clima no Sul do Mundo, sabendo que precisava mais, procurei uma academia para fazer também atividades de musculação, até que encontrei. Seis meses fazendo academia, três vezes por semana, junto com o pedalar, e inicia a pandemia de coronavírus. Todos em casa, inicialmente tudo fechado. Foi quando descobri o meu lado disciplinado: mesmo em casa, permaneci fazendo os treinos diários enviados pelos professores da academia por WhatsApp, e segui assim após reabrir a academia, inicialmente clandestinamente e após regularmente. Foi na atividade física que me conheci definitivamente disciplinado e persistente, e isso gerou a confiança de expandir isso para outros “setores” da vida, como o trabalho e a música. 

 

Disciplina é liberdade.

 

Mas eu falava de defeitos meus, e outro grande defeito, ou dificuldade, que tenho é que sou alguém que tenho a tendência a ter grandes ideias, grandes planos e uma certa dificuldade de pô-los em prática. Já tive sacadas geniais que nunca avançaram por uma certa falta de iniciativa, de esperar o momento ideal, de achar que teria que estar tudo pronto e perfeito para começar. Vencer essa inércia, de sair do plano para a ação, o maior desafio.

 

Porém, como no caso da disciplina, que venho modesta, humilde e arduamente superando, a dificuldade em passar dos planos para as ações começa a ser encarada de frente, e os frutos devem surgir em breve, eu espero.

 

Novidades no horizonte.

 

Até.  

sábado, janeiro 27, 2024

Sábado (e é semana que vem!)


É sábado que vem, 03/02, em Atlântida, litoral norte gaúcho.

School of Rock Benjamin POA, com seus grupos Performance e Adultos ('jovens'), além da primeira apresentação da nossa House Band.

Vai ser MUITO legal.

Sábado, 03/02/2024. SEMANA QUE VEM.

Até.

 

sábado, janeiro 20, 2024

Sábado (e encontros e conversas)

Eu, Tchê Gomes, Frank Jorge e Thiago Vitla


Dia do Compositor, 15/01.
Conversamos e, mais importante, ouvimos Frank Jorge na útlima segunda-feira.
School of Rock Benjamin POA.

Bom sábado a todos.

Até.

 

domingo, janeiro 14, 2024

A Sopa

A Primeira Sopa

 

Ainda antes desse blog, surgido em 2004 logo antes de eu me mudar temporariamente para o Canadá, havia ‘A Sopa’, semanário enviado por e-mail para um grupo de “assinantes”. Surgiu logo após a 5ª Sopa de Ervilhas Anual do Marcelo, no longínquo ano de 2001. Abaixo, a primeira edição com esse nome, ‘A Sopa’, porque antes um pouco eu enviava e-mails chamados de ‘Sopa News’, com notícias em preparação às Sopas que viriam. Foi enviada em 30 de julho de 2001.

 

Hoje é segunda-feira, no sábado foi a 5ª Sopa e você deve estar se perguntando se eu não tenho mais o que fazer do que ficar brincando de escrever um jornalzinho na Internet. Talvez não tenha, ou considere esta uma das coisas que DEVO fazer. O importante é que a ideia é transformar o antes denominado "Sopa News" neste A Sopa, um semanário eletrônico que servirá para atualizar as pessoas sobre a Banda da Sopa, as atualizações no site da banda, e - também - no site dos Perdidos na Espace. Este último, que fala de mais um dos meus vícios, junto com a música, as leituras e a escrita, viajar.

 

Falando um pouco da 5ª Sopa de Ervilhas Anual do Marcelo, que se realizou sábado, dia 28/07, no Veleiros do Sul. É possível dizer que deu tudo certo: a preparação, a sopa em si, e o show da Banda. Novamente, e como sempre, não teria conseguido fazer tudo sem a ajuda fundamental da Jacque, grande parceira e coautora do evento, apesar de o seu nome não constar nos créditos. Agradeço sua colaboração publicamente neste espaço que não é tão público quanto eu gostaria...

 

Em termos de público presente, foi o maior evento desde a sua criação, em 1996, quando oito pessoas serviram de cobaia para a primeira vez que eu fazia uma sopa de ervilhas. Contabilizamos, sem contar as crianças abaixo de cinco anos, 44 pessoas, o público por mim esperado, apesar de terem sido convidadas mais de 80 pessoas. Esta diferença entre os convidados (com antecipação e confirmação de cerca de 60 pessoas) e os presentes leva a uma pergunta: é o frio, o sábado de noite, o desconhecimento do evento, outros compromissos ou a pouca consideração pelo anfitrião o motivo das faltas? Talvez um pouco de tudo, talvez existam outras razões, não importa nem um pouco. O que importa são aqueles que saíram de casa num sábado à noite de muito frio para se sentarem em torno de uma mesa entre amigos, conversar, rir e se esquentar com uma sopa quente.

 

Porque a Sopa de Ervilhas Anual do Marcelo é para ser isso: uma grande confraternização de amigos que, se por alguma razão não se encontram mais vezes, pelo menos na Sopa se reúnem. E se alguém precisa tomar a iniciativa de fazer esta reunião, ótimo que seja eu. A satisfação de ver todos reunidos na Sopa compensa todo o desgaste físico da sua preparação, que começa meses antes e incluiu a definição do lugar, número de convidados, ensaios da Banda, convites, confirmações, compra dos ingredientes e bebidas e a preparação.  A preparação começa na véspera, cozinhando as carnes, picando salsinha e os ovos e, no dia, quando chegamos lá 6 horas antes dos primeiros convidados para terminar de fazer a Sopa, arrumar as mesas, montar a estrutura do show e passar o som.

 

Pode ter sido esta a última, e sempre é assim, porque esta é outra das marcas da Sopa: o importante é a de hoje, sei lá se vai haver de novo no próximo ano. Se não houver, o que ficará será a ótima impressão que esta deixou. Por isso que a cada ano está melhor, maior e mais divertida.

 

E devemos tudo isso aos amigos, que são o que há de mais importante no mundo, junto com a tradição, a família e a propriedade...  ;-) 

 

Valeu mesmo e quem sabe ano que vem tem de novo.

 

Até semana que vem.


sábado, janeiro 13, 2024