sábado, julho 15, 2006

Pequenos Prazeres Matinais

Sábado.

Com extrema facilidade e gosto, retomo antigos hábitos e – por que não? – rotinas de antes do exílio. Até para provar a mim mesmo que nem tudo muda. Hoje, primeiro sábado em Porto Alegre desde a volta, percebi que o meu organismo já volta a funcionar como antes. Cedo, pouco depois das sete da manhã, já estava acordado.

Como na música, acordei mais cedo, tomei sozinho o chimarrão, lendo o jornal do dia, não mais on line, e ouvindo as milongas do Vítor, o caçula da talentosa família Ramil. O dia amanheceu nublado, com uma chuva intermitente que completou o quadro típico do inverno nos pampas, mesmo que a temperatura – em agradáveis 15ºC - não seja aquela de inverno de verdade.

Chove na tarde fria de Porto Alegre
Trago sozinho o verde do chimarrão
Olho o cotidiano, sei que vou embora
Nunca mais, nunca mais

Chega em ondas a música da cidade
Também eu me transformo numa canção
Ares de milonga vão e me carregam
Por aí, por aí

Ramilonga, Ramilonga

Sobrevôo os telhados da Bela Vista
Na Chácara das Pedras vou me perder
Noites no Rio Branco, tardes no Bom Fim
Nunca mais, nunca mais

O trânsito em transe intenso antecipa a noite
Riscando estrelas no bronze do temporal
Ares de milonga vão e me carregam
Por aí, por aí

Ramilonga, Ramilonga

O tango dos guarda-chuvas na Praça XV
Confere elegância ao passo da multidão
Triste lambe-lambe, aquém e além do tempo
Nunca mais, nunca mais

Do alto da torre a água do rio é limpa
Guaíba deserto, barcos que não estão
Ares de milonga vão e me carregam
Por aí, por aí

Ramilonga, Ramilonga

Ruas molhadas, ruas da flor lilás
Ruas de um anarquista noturno
Ruas do Armando, ruas do Quintana
Nunca mais, nunca mais

Do Alto da Bronze eu vou pra Cidade Baixa
Depois as estradas, praias e morros
Ares de milonga vão e me carregam
Por aí, por aí

Ramilonga, Ramilonga

Vaga visão viajo e antevejo a inveja
De quem descobrir a forma com que me fui
Ares de milonga sobre Porto Alegre
Nada mais, nada mais

(‘Ramilonga’, Vítor Ramil)


Bom sábado.

Até.

Um comentário:

Ana disse...

E nos estamos com 39 graus, tipico verao de Toronto.



Infelizmente...