sexta-feira, julho 21, 2006

Teatro do Absurdo

Em casa, hoje à tarde, já saindo – atrasado – para um compromisso de final de tarde. Futebol, mas não vem ao caso. Aliás, essa informação é completamente dispensável para o resto da história. Não, vai até atrapalhá-la. Esqueçam o que eu ia fazer.

Pois bem, estou eu pronto para sair quando toca o telefone. Atendo (versão MUITO resumida do diálogo, e os números foram trocados por letras por questão de segurança):

- Pronto?
- Com quem falo? – diz a voz de uma senhora certamente com mais de setenta anos.
- Com quem quer falar? - retruco.
- Marcelo.
- Sou eu mesmo. Pois não. – digo em tom mais simpático, atencioso (vai que fosse paciente...).
- Só um minuto, - ela diz e passa o telefone para um senhor que, pela voz, certamente já ultrapassou os oitenta anos.
- Boa tarde – diz a voz masculina – o senhor é Marcelo Pianca Rodrigues?
- Não – respondo – me chamo Marcelo Tadday Rodrigues. Por quê?
- Porque recebi pelo correio uma conta sua da Caixa Econômica e, sem perceber, paguei a mesma...
- Estranho, eu não trabalho com a Caixa Econômica.
- Não, quis dizer que a conta é da EMBRATEL.
- Ah, bom, mesmo assim é estranho. Qual o endereço aí?
- André Puente, XXX, apartamento xxx.
- Muito estranho mesmo, afinal moro na André Puente YYY, apartamento zxx.
- Pois é, mas eu não me importo de ter pago, foi um valor pequeno e só gostaria que o senhor transferisse para o seu endereço.
- Se a conta é minha, faço questão de pagar. O senhor tem como deixar a conta com o porteiro do prédio para eu dar uma olhada?
- Certamente, mas eu poderia fazer uma cópia e deixar a cópia.
- Para mim é indiferente, só quero vê-la para poder pagá-la ao senhor. Mas afinal, qual o telefone mesmo?
- XXQQ-VVYG
- É o meu telefone mesmo. Estranho, realmente estranho.
- Mas o senhor não poderia passar aqui no meu prédio para pegar a conta? É que eu tenho ácido úrico e muita dor na perna. Além disso, o local para fazer a fotocópia é longe...
- Certo, mas hoje não posso.
- Nem mais tarde?
- Nem mais tarde. Só para confirmar: em nome de quem está a conta?
- Marcelo Pianca Rodrigues.
- Pois é. Me chamo Marcelo Tadday Rodrigues, como já lhe falei. Apesar de o primeiro e o último nomes serem iguais ao meu, esse não é o um nome. Qual o telefone mesmo?
- XXQQ-HBDQ.
- O meu é diferente. É XXQQ-VVYG. E o endereço?
- André Puente, XXX, apartamento xxx.
- Como lhe disse antes, não é o meu mesmo. Logo, o nome não é meu, o telefone não é meu e nem o endereço é o meu. Acho que não vou poder lhe ajudar... Aliás, como o senhor encontrou esse número que foi discado.
- Pelo guia telefônico, o nome é igual.
- O primeiro e o último nome são iguais, mas não sou eu.
- Certo, mas vou deixar com o porteiro do seu prédio a cópia do conta.
- O primeiro e o último nome são iguais, mas não sou eu, acho que não posso lhe ajudar.
- Mas vou deixar com o porteiro do seu prédio a cópia do conta.
- ...


Até.

Um comentário:

Ana disse...

HAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAH