domingo, agosto 13, 2006

A Sopa 06/04

Muitos assuntos, muitas preocupações.

Os dias parecem ainda mais repletos de fatos que merecem nossa atenção e reflexão, não? Claro que sim. E não só no plano local, a cidade em que voltei a viver, mas também no plano regional, nacional e internacional. Só que, no fundo, continua tudo igual, ao mesmo tempo em que tudo é bem diferente. É aquela impressão de que tudo está perdido, não tem mais volta, que toma conta das pessoas vez que outra. E, nesse contexto, não há como não ficar ansioso.

Eu não fico, claro, mas não estamos falando de mim. Veja só o possível atentado que foi abortado pelo serviço secreto inglês, e que explodiria dez aviões a caminho dos Estados Unidos. Loucura total. Não só isso: se procurarmos bem, vamos encontrar pessoas justificando a idéia de alguma forma. E que fique bem claro: nenhuma forma de terrorismo se justifica, nunca. E não diferencio o terrorismo de grupos – como os que realizaram os atentados de 11 de setembro – com o de estados, que “pecam” por ação, como os Estados Unidos invadindo o Afeganistão e o Iraque (assunto já batido?) ou Israel fazendo o mesmo no Líbano, ou pecam por omissão, o que acontece com o Brasil, que por conta de politicagem está perdendo a guerra (e o controle do estado) para facções criminosas, como no estado de São Paulo.

E são tempos loucos, absurdos, porque parece que só se combate loucura com loucura, como no caso da avó (ou tia, ou mãe, não importa) que teve que tomar o leite da mamadeira do neto (ou sobrinho ou filho) para provar que não estava transportando explosivos líquidos. Ridículo? Certamente, até acontecer alguma coisa. Como podem ver, as atualidades estão se impondo sobre nós e impedindo a abstração, o culto do idílico. Não há como viver em fantasia com a realidade batendo em nossa porta o tempo todo.

De todos os assuntos, contudo, um tem exigido foco e atenção constantes, o tempo todo. Sanguessugas, corrupção, eleições, guerras, crime organizado, Superman Returns, nada disso é páreo para o assunto do momento.

A Taça Libertadores da América.

São Paulo e Internacional estão decidindo o campeonato da América em duas partidas, uma na semana que passou e outra na próxima quarta-feira. A primeira foi no Morumbi e a segunda será no Beira-Rio. Na primeira, contra uma convicção generalizada de boa parte do país, que por desconhecimento ou soberba dava como certa a vitória – até com facilidade – do time paulista, o Inter, jogando na casa do adversário, fez 2X1, jogando muito melhor.

No próximo jogo, portanto, o Inter será campeão até com um empate. Os ingressos já estão esgotados desde ontem. Há um clima de tensão no ar, em Porto Alegre. Nada está definido. Ninguém ganha jogo de véspera.

Sexta-feira passada, enquanto aguardávamos o começo de uma reunião, conversava com um conhecido, que dizia que o Inter já era campeão, ao que respondi: não é campeão, nada. O jogo vai ser muito difícil. Só vamos cantar vitória ao 42 minutos do segundo tempo e se o Inter estiver ganhando de dois a zero. Antes disso, só tensão.

Até quarta-feira, portanto, não me pergunte sobre mais nada. E, caso o Inter seja campeão, favor me recolher em algum canto da cidade. Como me reconhecer? Eu vou ser o cara alto e careca vestindo uma camisa do Inter e nada mais.

Putz, será que isso foi uma promessa?

Até.

Um comentário:

Rafael Reinehr disse...

E eu serei um endocrinologista atendendo, durante a quinta-feira inteira, com uma camisa do glorioso Sport Club Internacional.

Seja bem-vindo ao lar, digníssimo Marcelo. Hoje, como a cada 15 dias, estou em Porto Alegre.

Dia desses, combinamos de tomar algum café para bater um papo nesta quintaníssima Porto Alegre.

Abraço.

PS: o linque mudou