sexta-feira, junho 02, 2006

Quatro

Semanas.

“Falta muito pouco tempo, eu sei
Mas quando a gente é pequeno
O tempo custa pra passar
Também a gente pode crescer”


Não sei se é exatamente assim a letra dessa música, que acho que se chama ‘Nos tempo do Julinho’ (na verdade se chama 'Armadilha', como lembrou a Jacque). Nelson Coelho de Castro. Porto Alegre. Da cidade e o autor eu tenho certeza, mas o resto é como minha memória determina que seja. E, por isso, pode não ser nada disso.

Julinho, nesse caso, é a Escola Estadual Júlio de Castilhos, Porto Alegre, claro, que sempre foi um emblema de educação pública de qualidade, e não o Julinho, primo do Beto e do Fernando, um dos integrantes dos Grupo dos Oito, o grupo que iniciou nossa turma da praia, lá nos anos oitenta. Nesse momento, lembranças se misturam, pessoas, fatos, causos e outras histórias.

Compreensível, afinal estou às portas de mais uma mudança grande na minha vida. Um ciclo se encerrará em breve. Parênteses. Vou usar essa expressão, final de ciclo, várias vezes nas próximas semanas, e espero que não a ponto de levá-los à náusea. Fecha parênteses.

Como é propício nessas fases de vida, é um bom momento para reflexões, avaliações. Uma boa hora para revisar a história, a minha história.

É o que farei, eventualmente, nas próximas semanas.

Entre festas de despedida, ansiedade pela volta, trabalho, trabalho e trabalho.

Até.

UPDATE - A Jacque, nos comentários, lembrou da letra como realmente é. Com vocês, 'Armadilha'.

Falta pouco tempo eu sei
mas quando a gente é pequeno
o tempo custa prá passar
também a gente pode crescer
Não é preciso que me digas
se tem algéum atrás da porta
esperando prá atacar
e cumprir, armadilha
e receber o beijo frio
da lâmina do coração
e como o hábito de ser
enxugo a lã, a lâmina
Não repara no cuspe que sai
no vento venta, a minha vontade
vamos botar no branco esse preto
cambada de fé, tá na mão
que sei da rima torta,
sei da lenha minha paixão...

2 comentários:

Jacque Rizzolli disse...

Oi meu amor!!!
A Música do Nelson Coelho de Castro se chama " Armadilha", ele tem outra, acho que do mesmo "vinil" que se chama Tempos do Julinho (...Foi no Tempo do Julinho, é...). O Nélson é um cara esquisito, mas Armadilha é uma das músicas que eu relamente curto, feita aqui nos nossos "pagos":
" Falta pouco tempo eu sei
mas quando a gente é pequeno
o tempo custa prá passar
também a gente pode crescer
Não é preciso que me digas
se tem algéum atrás da porta
esperando prá atacar
e cumprir, armadilha
e receber o beijo frio
da lâmina do coração
e como o hábito de ser
enxugo a lã, a lâmina
Não repara no cuspe que sai
no vento venta, a minha vontade
vamos botar no branco esse preto
cambada de fé, tá na mão
que sei da rima torta, sei da lenha minha paixão...lá,lá,lá,uera, iera..."
É Tão bom saber que falta pouco tempo...te amo sempre, Jacque

Monique disse...

Tá chegando a hora... Que dia mesmo, pois nao esquecemos da carona ao aeroporto. E claro, vamos fazer algo antes. bjs,