domingo, janeiro 30, 2005

A Sopa 04/28

Eleições no Iraque neste final de semana que terminou.

Com este fato em mente, decidi cortar o meu cabelo voltado para Meca. Sério. Certo, não sei se estava voltado realmente para Meca, mas que eu fiquei o tempo todo olhando para ela, isso eu fiquei.

Por indicação do Rafael e da Monique , fui cortar o cabelo aqui perto de onde moro, num barbeiro iraquiano. Se vocês acompanham este relatos do exílio, sabem que em outubro fui cortar o cabelo num barbeiro italiano que, ao contrário do que eu pedia, não usava a máquina, apenas tesoura. Pois bem, o barbeiro iraquiano só usa a máquina. De um extremo a outro, mas tudo bem, prefiro a máquina.

Ocorreu mais ou menos assim.

Sábado de manhã, termômetros marcando agradáveis –9ºC, fui andando para tentar encontrar o local indicado. Fácil. Entrando na pequena barbearia, a temperatura deveria estar em torno de 20ºC. Tira casaco e blusão e sentei na cadeira indicada pelo barbeiro, de costas para um poster de Meca. No espelho, passei o todo tempo mirando a cidade sagrada que todo muçulmano deveria (deve) visitar ao menos uma vez em sua vida.

Ao começar, uma única pergunta: curto ou não? Curto, mas sem exageros, respondo, não esquecendo de explicar para ele tentar evitar de deixar o cabelo faça o contorno da cabeça, ou seja, não quero redondo. Ángulo de 90º entre a parte lateral e a superior. Certo, certo, e lá vai ele com a máquina. Acrescento – meu deus, como sou chato! – que nos lados pode ser máquina dois. Certo, e segue adiante. E me lembro de quando eu era pequeno.

Sabe quando começamos a aprender a pintar? Sejá lá o que for, nos ensinam que – para ficar uniforme a pintura, no caso – devemos pintar numa única direção – para cima e para baixo, de um lado a outro . Pois é, ele deve ter faltado a essa aula. A máquina vai circulando aleatoriamente pela minha cabeça. Tudo bem por enquanto, apesar disso. Corta, corta, em determinado momento relembro a ele sobre o ângulo reto, e vai em diante.

Até que termina. Pede que eu confira, inclusive a parte de trás, com um espelho. Olho… ainda está grande, é preciso cortar mais. Me avisa que se cortar mais vai ser difícil de pentear (por pouco comprimento de cabelo) e vai ser necessário usar gel. Digo que tudo bem, já uso gel mesmo. Termina o serviço: olho e gosto, apesar de que ainda poderia ter cortado mais nas laterais, mas deixa assim, fica para a próxima, no mês que vem.

Saio para a rua. O céu é azul, o sol brilha e aquece um pouco.

Sábado, manhã, o melhor momento da semana.

4 comentários:

Anônimo disse...

No inicio até me assustei!
América do Norte ... Barbeiro Iraquiano ... Máquina na mão ...
Estava já esperando pelo macacão laranja e a gravação de vídeo!
Melhor assim.
Cabelos ainda grandes ... mas recebendo sangue.
Um abraço

Tettamanzy

Anônimo disse...

Cuidado, o barbeiro pode ser um Al-Qaeda disfarçado...he he
(Vitor)

Dani disse...

Oi, Marcelo. Muito obrigada por ter passado no Divã, lido o post e - o que quase ninguém faz - deixar comentário. O problema é que o gosto da torta às vezes é amargo, nénaum? Bom, agora já estou me sentindo melhor. Sou uma otimista nata, fazer o quê? Poliana, como diriam alguns amigos. Agora que descobri seu blog, vou passar lá direito. Posso? Tô autorizada? Beijo grande, Dani Noyori.

Ps: Posso linká-lo no Divã?

Monique disse...

Oi Marcelo; Teve coragem de ir lá, né ! O iraquiano é gente boa. Qu bom que gostou e é pertinho de casa. bjs,