sexta-feira, fevereiro 25, 2005

Amenidades

- Tudo de volta ao normal no A Sopa no Exílio. Graças à pronta e eficiente ajuda da Lúcia voltamos ao sistema antigo de comentários e todos os antigos comentários estão de volta… Faço aqui o agradecimento público a ela, a quem enviei por email o ‘Template’ e ela me mandou de volta com algumas melhorias. Agradecimentos também a todos que se dispuseram a me ajudar, Ana e Alessandro e Gean. Obrigado, prometo comprar o livro Web Design para Dummies o mais breve possível…

- Com relação aos comentários feitos no Haloscan (o sistema NÃO vou usar, ao menos por enquanto) esse não vão aparecer aqui.

- De qualquer forma, vou comentar um comentário feito ontem, pelo Allan, do Carta da Itália:

”Acho melhor você parar com essa história de homenagens ao Chico. Lembro que a Globo fez um especial chamado "Assim era Elvis", mas o cara ainda estava vivo. Uma semana depois, pimba! Disseram que foi mau agouro.”.

Allan, não acho que eu tenha toda essa energia negativa. Além do mais, hoje é o último dia.

- Dedico a música de hoje ao novo presidente da Câmara dos Deputados do Brasil, cuja principal promessa de campanha e primeiro ato foi encaminhar, em regime de urgência, um aumento para os salários dos deputados para R$ 21.500,00, e tem a cara de pau de dizer que a “sociedade” concorda.


Apesar De Você

Amanhã vai ser outro dia

Hoje você é quem manda
Falou, tá falado
Não tem discussão, não.
A minha gente hoje anda
Falando de lado e olhando pro chão.
Viu?
Você que inventou esse Estado
Inventou de inventar
Toda escuridão
Você que inventou o pecado
Esqueceu-se de inventar o perdão.

Apesar de você
amanhã há de ser outro día.
Eu pergunto a você onde vai se esconder
Da enorme euforía?
Cómo vai proibir
Quando o galo insistir em cantar?
Água nova brotando
E a gente se amando sem parar.
Quando chegar o momento
Esse meu sofrimento
Vou cobrar com juros. Juro!

Todo esse amor reprimido,
Esse grito contido,
Esse samba no escuro.
Você que inventou a tristeza
Agora tenha a fineza
de “desinventar”.
Você vai pagar, e é dobrado,
Cada lágrima rolada
Nesse meu penar.

Apesar de você
Amanhã há de ser outro día.
Ainda pago pra ver
O jardim florescer
Qual você não quería.
Você vai se amargar
Vendo o día raiar
Sem lhe pedir licença.
E eu vou morrer de rir
E esse día há de vir
antes do que você pensa.
Apesar de você

Apesar de você
Amanhã há de ser outro día.
Você vai ter que ver
A manhã renascer
E esbanjar poesía.
Cómo vai se explicar
Vendo o céu clarear, de repente,
Impunemente?
Cómo vai abafar
Nosso coro a cantar,
Na sua frente.
Apesar de você

3 comentários:

Anônimo disse...

Novo teste

marcelo

Ana Paula disse...

Olá Marcelo,

Que bom que os comentários voltaram ao normal, fiquei com medo de não poder retribuir a sua visita e dizer que já andei por aqui algumas vezes. Achei muito interessante o motivo pelo qual vc veio parar nesse paraíso gelado. Te desejo muito sucesso na carreira.

Medicina é uma das minhas paixões secretas. Infelizmente faltaram alguns requisitos essenciais: dedicação, coragem de encarar um vestibular para a área, oportunidade e $$$.
Tudo bem, na próxima vida eu realizo...rs...

Um beijo e até a próxima!

Lucia disse...

No problem! Precisando de um help, tamos aí! Sério. Esquematiza como vc quer o design do blog e eu te ajudo a fazer o HTML.

Quanto à esse deputado aí, sem comentários!