terça-feira, fevereiro 08, 2005

iChat


DSCN0725
Originally uploaded by Marcelo Tadday.

Muitas vezes falei aqui sobre a situação de eu estar morando no Canadá e a Jacque - com quem sou casado há oito anos e meio - ter ficado em Porto Alegre. Não é a situação mais agradável do mundo, claro, mas seria muito pior sem o advento da internet, da Apple e do seu software chamado iChat.

Nos falamos todos os dias, e a foto ao lado é como nos vemos enquanto conversamos online e sem interrupções decorrentes de problemas de conexão, afinal temos uma conexão "banda larga". Permite, inclusive, que eu participe virtualmente de encontros com amigos, como mostra a foto, em que estava falando também com o Pedro e com a Zeca, que jantavam lá em casa.

Assim como converso com a minha mãe que, nestes dias, está no litoral norte do Rio Grande do Sul e com o meu irmão que mora em Nova York.

Certo, certo. Não é a mesma coisa, mas imagine só poder me comunicar por telefone ou - pior - por carta.

5 comentários:

Anônimo disse...

Eu fiquei 1 mes sem minha mulher e meu filho quando eles foram passar ferias no Brasil.. putz, quase pirei!!

Espero que voces se encontrem varias vezes virtualmente, que como vc disse não é a mesma coisa mas AJUDA MUITO!!

Muito sucesso para voces.
Artur - rodriguesfamily.blogger.com.br

Jacque Rizzolli disse...

Pena que eu fui a autora da foto e não saí junto...Se não fosse o i-chat, sería I-M-P-O-S-S-Í-V-E-L aguentar a distância, se assim já é MUITO difícil, imagina sem estes recursos??? A fotinho ficou legal,né? Graças a pequena "Grande" Nikon coolpix 4200 que eu ganhei de Natal do meu amor...Love You Jacque

Ana Celia disse...

Bem legal isso, Marcelo! :)

Bjs,
Ana

Monique disse...

Oi Marcelo e Jacque; eu não consigo imaginar como deve ser duro ficar tanto tempo longe, eu fiquei 2 meses longe do Rafa e pareceu uma eternidade. Mas com certeza graças a internet é possível ver a carinha um o outro e isso fez uma baita diferença. bjs,

Lucix disse...

Oi Marcelo!
Realmente a Internet ajuda muito... É ruim ficar separado, mas faz muita diferenca poder ver a carinha e ouvir a voz do outro.