quarta-feira, novembro 24, 2004

O Início

A Sopa nasceu muito antes de vir para o Exílio.

Foi no dia 30 de julho do ano 2001, logo após a realização da 5ª Sopa de Ervilhas Anual do Marcelo. Até hoje, ela é enviada por e-mail aos assinantes (quem quiser receber, é só solicitar) além de, desde junho, também aqui no blog. Além dos meus textos, regularmente publico textos de colaboradores. Abaixo, reproduzo a primeira edição:

"Hoje é segunda-feira, no sábado foi a 5ª Sopa e você deve estar se perguntando se eu não tenho mais o que fazer do que ficar brincando de escrever um jornalzinho na internet. Talvez não tenha, ou considere esta uma das coisas que DEVO fazer. O importante é que a idéia é transformar o antes denominado "SopaNews" neste A Sopa, um semanário eletrônico que servirá para atualizar as pessoas sobre a Banda da Sopa, e também sobre os Perdidos na Espace.

Falando um pouco da 5ª Sopa de Ervilhas Anual do Marcelo, que se realizou sábado, dia 28/07, no Veleiros do Sul. É possível dizer que deu tudo certo: a preparação, a sopa em si, e o show da Banda. Novamente, e como sempre, não teria conseguido fazer tudo sem a ajuda fundamental da Jacque, grande parceira e co-autora do evento, apesar de o seu nome não constar nos créditos. Agradeço sua colaboração publicamente neste espaço que não é tão público quanto eu gostaria...

Em termos de público presente, foi o maior evento desde a sua criação, em 1996, quando oito pessoas serviram de cobaia para a primeira vez que eu fazia uma sopa de ervilhas. Contabilizamos, sem contar as crianças abaixo de cinco anos, 44 pessoas, o público por mim esperado, apesar de terem sido convidadas mais de 80 pessoas. Esta diferença entre os convidados (com antecipação e confirmação de cerca de 60 pessoas) e os presentes leva a uma pergunta: é o frio, o sábado de noite, o desconhecimento do evento, outros compromissos ou a pouca consideração pelo anfitrião o motivo das faltas? Talvez um pouco de tudo, talvez existam outras razões, não importa nem um pouco. O que importa são aqueles que saíram de casa num sábado à noite de muito frio para sentarem em torno de uma mesa entre amigos, conversar, rir e se esquentar com uma sopa quente.

Porque a Sopa de Ervilhas Anual do Marcelo é para ser isso: uma grande confraternização de amigos que, se por alguma razão não se encontram mais vezes, pelo menos na Sopa se reúnem. E se alguém precisa tomar a iniciativa de fazer esta reunião, ótimo que seja eu. A satisfação de ver todos reunidos na Sopa compensa todo o desgaste físico da sua preparação, que começa meses antes e incluiu a definição do lugar, número de convidados, ensaios da Banda, convites, confirmações, compra dos ingredientes e bebidas e a preparação. A preparação da sopa em si começa na véspera, cozinhando as carnes, picando salsinha e os ovos e, no dia, quando chegamos lá 6 horas antes dos primeiros convidados para terminar de fazer a sopa, arrumar as mesas, montar a estrutura do show e passar o som.

Pode ter sido esta a última, e sempre é assim, porque esta é outra das marcas da Sopa: o importante é a de hoje, sei lá se vai haver de novo no próximo ano. Se não houver, o que ficará será a ótima impressão que esta deixou. Por isso que a cada ano está melhor, maior e mais divertida.

E devemos tudo isso aos amigos, que são o que há de mais importante no mundo, junto com a tradição, a família e a propriedade :-)

Valeu mesmo e quem sabe ano que vem tem de novo."

2 comentários:

Anônimo disse...

Oi Marcelo, vim retribuir as suas visitas. Legal o teu espaço. Pelo jeito você chegou em Toronto nao faz muito tempo, adoro essa cidade. E pelo jeito você vem dos mesmos pagos que eu também. Um abraço.
Ana Lucia
http://arte.typepad.com

Patricia disse...

Ontem recebi por e-mail um texto fabuloso do António Lobo Antunes, um escritor português. É claro que eu não podia deixar de fazer uma analogia entre o texto (que curiosamnete trata de uma sopa) e este blog fabuloso, ainda mais de ler este post sobre o surgimento da Sopa! Então resolvi partilhar o texto.

"Carta da Guerra em Angola Enviada por Lobo Antunes ao Irmão Mais Novo


Remetente:
António Lobo Antunes
Alferes-médico SPM 2676
Ex.mo Sr. Manuel Lobo Antunes
Travessa dos Arneiros, 14
Lisboa 4
Metrópole
Redação: A Sopa
27-04-1971, em Ninda

Querido Manuel,

Eu estou em Angola. Eu gosto muito de Angola. Eu vim para Angola num barco muito grande, com muitos soldados. Eu vou voltar de avião. Eu vou aí em Setembro. Eu tenho patilhas. Eu tenho cabelo rapado. Eu tenho muitas saudades de todos, tais como da Margarida. Angola é em África. África tem leões, macacos, gazelas, elefantes, pacaças, palancas e muitos pretos. Os pretos têm um cabelo com muitos caracóis e dentes brancos. Os pretos não falam português, falam preto. A gente não percebe os pretos a falar preto. Os pretos às vezes falam português. Os portugueses nunca falam preto. Em Angola há muito calor todo o dia. Eu tenho uma espingarda mas ainda não matei ninguém. Eu visto farda. Farda é um fato igual para todos. Eu como coisas que não gosto de comer mas como porque há muita gente com fome e não devemos desperdiçar. A colher fica em pé na sopa de tal maneira a sopa é grossa. A sopa serve também para pegar tijolos uns aos outros. Há casas que foram feitas graças à sopa. A sopa tem muitas coisas dentro, que a gente tem de mastigar, e às vezes corta-se a sopa com a faca. A sopa é mais dura do que um bife muito duro. As colheres de sopa caem no estômago da gente com um barulho parecido com pedras a cair num poço. Eu não gosto de sopa. Eu nunca mais como sopa. Já me nasceram dentes na barriga para moer a sopa, e os meus intestinos, a fazerem a digestão da sopa, parecem mesmo um motor de traineira. Quando me sento à mesa e vem a sopa tenho medo porque a sopa parece cimento. Eu estou forrado de sopa por dentro.

Quando me assoo sai sopa do nariz. Quando espirro espirro gotinhas de sopa. Outro dia tiraram-me sangue e um talo de couve saiu-me da veia e entupiu a agulha. De vez em quando, quando há feridos, fazem-se transfusões de sopa, e a gente vê o grão e o feijão da sopa a saírem de um para entrarem no outro. Quando há feridas é preciso desinfectar a sopa que sai da ferida. Se se espreme uma borbulha aparecem logo bagos de arroz de sopa. A sopa é o nosso pior inimigo, a espiar a gente do fundo das panelas duas vezes por dia, ao almoço e ao jantar, a sopa ataca-nos. A sopa já fez muitas baixas. Às vezes a sopa traz brindes como os bolos-reis tais como baratas, insectos, borboletas, que morreram envenenados pela sopa. De maneira que a gente vai começar a usar a sopa como remédio para os ratos.

Os americanos já nos pediram para a gente mandar sopa para o Vietname, porque os comunistas morrem todos se a comerem. Eu gostava muito de dar sopa à sopa. Eu vou acabar. São horas de comer a minha sopa.


António Lobo Antunes
Vítima nº 07890263 da sopa
Morto no campo de batalha do refeitório com um ataque agudo de sopa "