terça-feira, maio 03, 2005

Erguei as mãos…

Nunca fui muito fã da expressão “deixar nas mãos de Deus”.

Sempre me deu a impressão de que era uma desculpa para uma atitude passiva perante as diversas situações em que nos vemos envolvidos. Algo como ficar esperando que os outros, ou as circunstâncias, resolvam o que não podemos resolver. Mas talvez não seja exatamente assim, admito.

Lá no início dos anos noventa, estudante de medicina e paciente de um neurocirurgião devido ao acidente com traumatismo crânioencefálico, coma, estada na UTI, etc, um dia saí do hospital e caminhei até o Instituto de Biociências da PUCRS para conversar com o neurocirurgião, professor de neuroanatomia e meu médico. O assunto, minha inconformidade com o fato de ter que tomar medicação diariamente. Bobagem, claro, mas eu tinha dezoito anos, e devem ser perdoadas certas inconformidades que se tem aos dezoito anos.

Mas dizia eu que fui conversar com o meu professor e por circunstância médico sobre o tratamento que eu fazia, que simplesmente era tomar um comprimido uma vez ao dia para afastar a possibilidade de ter crises convulsivas, fato possível após um traumatismo craniano com hemorragia cerebral, digamos assim. Simples e fácil, mas eu me queixava mesmo assim.

Foi então que ele me disse que “na vida, existem dois tipos de situações: as que podemos mudar e as que não podemos mudas; para as primeiras, devemos fazer todo o possível para que fiquem como gostaríamos e, com as segundas, não vale a pena se estressar ou lutar contra: não dependem de nós”. E ele estava certo.

Por esses dias, passo por situação semelhante: algumas coisas podem acontecer e que não dependem de nada que eu faça. Além disso, independente do que acontecer, tudo vai estar bem. Então, o melhor agora é “deixar nas mãos de Deus”.

Até.

5 comentários:

Ninne disse...

Concordo, Marcelo. Tem coisa que podemos controlar mas, outras, nao. Se bem que sou ruim de me conformar por completo, mas fazer o que:)

Nao sabia desse seu acidente, nossa, ainda bem que vc estah melhor agora.
Deixou na mao de Deus e deu certo:)

beijo:0

Rafael Reinehr disse...

Marcelo, não sei exatamente o que se passa, mas sinta-se confortado.

Estarei pensando para o bem da situação que tu ou os teus enfrentarão.

Monique disse...

De fato, tem coisas que controlamos, outras não. Mas sabia que tem gente que nao faz nada e sempre diz que tudo está nas mãos Dele ? Sábias palavras de seu professor. bjs,

Aninha disse...

Tem coisas que eu deixo na mao de Deus mesmo. Lavo minhas maos, eu nao posso mudar a situacao!

Se precisar de ajuda com o blog um dia, e so pedir :)

Camilla disse...

Oi Marcelo,

Passeando pelo blog de Monique te achei!!
Concordo plenamente com o ensinamento do seu professor!! Mas ainda acredito na Fe', que pelo menos nos da esperanca!! E no mais 'e partir pra luta, pra que possamos dizer que vencemos!!
Boa Sorte!!