segunda-feira, maio 30, 2005

Método


DSCN3661
Originally uploaded by Marcelo Tadday.

Estou morando aqui em Toronto há nove meses e alguns dias. Sozinho, geograficamente longe daqueles que me são mais queridos. Isso todo mundo que já passou algumas vez por esse blog sabe, até porque está na abertura do blog e é um assunto recorrente. É uma das formas que tenho de lidar com as saudades.

Pois é. Sábado de noite, em Porto Alegre, a Jacque foi jantar na casa da Luciana e do Deco, nossos amigos, mais o Pedro e a Zeca, e me colocou embaixo do braço e fui junto com eles. Não foi uma novidade nestes tempo em que sou um marido virtual, de vez em quando ela me leva junto para um lugar ou outro para eu encontrar alguns dos nossos amigos. Desde que tenham um acesso com banda larga. Graças à tecnologia, e ao iChat. Nada de novo até aqui.

Conversando com o Pedro e a Zeca no sábado, eles perguntaram como iam as coisas aqui. Respondi que tudo vai bem, o trabalho está rendendo, estou muito bem adaptado ao hospital, à cidade e ao país. Que Toronto é outra cidade depois do inverno. Que estou procurando um bicicleta usada bem baratinha para poder aproveitar os finais de semana na beira do lago, etc.

Perguntaram se eu sentia falta de Porto Alegre. Comecei a dizer que não, que no fundo eu não sentia falta… fiquei em silêncio por um instante e confessei: “Quem eu quero enganar? É claro que eu morro de saudades de casa, da Jacque, da família, dos amigos!”. Sim, eu sinto saudades (como se isso não estivesse claro pelo que escrevo…). Que fique bem claro: não estou sofrendo aqui em Toronto. Pelo contrário, a vida aqui é muito boa. Mas evidentemente sinto saudades de tudo o que ficou no Brasil. É isso.

Mas como lidar com a saudade de tanta gente ao mesmo tempo?

Lembrando do meu tio Vilson, já falecido há vinte anos, desenvolvi uma técnica. Ele, em algumas vezes que viajamos de noite, dizia que podia dirigir a noite toda sem perigo de dormir, porque “descansava” um olho de cada vez. Aí olhavamos e lá estava ele com um olho fechado e o outro aberto enquanto o carro seguia pela estrada…

Pensando nisso, decidi sentir saudades das pessoas em etapas: cada dia, ou par de dias, de uma pessoa diferente. Nem sempre funciona exatamente como deveria.

Nos últimos dias, tenho insistemente sentido falta da Beta, minha muito amada afilhada.

Até.

5 comentários:

Luly :) disse...

Oiê!

O Wander voltou de Fortaleza ontem e me disse algo interessante sobre a saudade que ele sente de casa (já se vão 10 anos longe!)... ele me disse que quando o tempo passa aqui, parece que a saudade "desliga", ele simplesmente não pensa nisso, tem a "impressão" que não sente saudades (apesar de algumas aparições fortes dela de vez em qdo). Mas quando ele chega na casa dele, vê todo mundo e tal, aí percebe o quanto sente falta de todos...
Apesar disso, não tem vontade de voltar pra lá pra morar, mas lógico que queria ir pra lá mais vezes no ano...

É isso... Eu nunca fiquei muito tempo longe da família, por isso ainda não sei como vou reagir a isso. Só o tempo pra dizer.

Bjoca!

Luly :)

Monique disse...

Oi Marcelo; Eu também sinto saudades de muita coisa e como vc disse é bom eservar para dia uma saudade para tirar, senão a gente enlouqueçe. A Jacque te levando em baixo do braço é muito engraçado, acho ótimo isso ! Pelo menos, ela encara com bom humor, pois para ela também não deve ser nada fácil ficar longe de vc por tanto tempo. bjs,

Jacque Rizzolli disse...

Oi meu amor!!!
Essa história é muito engraçada, quando a Lú me convidou prá jantar na casa deles, eu imediatamente perguntei: Posso levar o Marcelinho? Ela me olhou com uma cara meio esqusita, tipo "Coitada, tá tão carente que criou um marido imaginário, ou algo de gênero", aí eu perguntei se eles tinham internet com banda larga que eu levava o Notebook e a câmera para tu poderes dar um alô prá todo mundo... Esclarecidas as dúvidas ela cvaeitou e achou o máximo, nada como ter mais um convidado, que não ocupa lugar na mesa, não come, não bebe!!!!
Foi uma delícia, mas eu ainda prefiro MIL VEZES MAIS quando tu estás presente em carne e osso :D
Te amo muito e S-A-U-D-A-D-E-S!!!

Anônimo disse...

Marcelo, te entendo perfeitamente! Quando estava em Montreal, morria de saudades de Floripa, de casa, do meu marido, da família inteira, mas nem por isso achava ruim estar lá, bem pelo contrário. E hoje me dou o direito de sentir saudades de lá, das coisas boas, da vida tranquila, dos recursos, da universidade ...

Essa de levar você embaixo do braço hem?!? Eu fui "levada" várias vezes, a vários lugares, por pessoas daqui durante meu estágio em montreal. E era uma alegria sempre que podia ver alguém e deixar que me vissem!

Abração! Elisa

Camilla disse...

Oi Marcelo,

Eu tambem sinto muita saudade da minha familia, do sol, da praia e das comidas maravilhosas que deixei por la!

MAs como aprendi desde cedo : "Longe 'e um lugar que nao existe", pois estou sempre com quem quero, na hora que quero, 'e so deixar a mente fluir!! Eu sei que nao funciona 100% pois falta o contato, o toque, o cheiro... mas da pra aguentar

E gracas a Deus existe a internet!! Fico feliz por poder falar com o pessoal a kilometros de distancia!! Show de bola!!