segunda-feira, março 27, 2006

A Inevitável Tragédia

Esses tempos, conversava ao telefone com uma amiga psicóloga. Falávamos de assuntos variados até que entramos numa quase inevitável questão: como dizia Caetano Veloso, de perto ninguém é normal.

Isso é de conhecimento geral, claro. Se olharmos com atenção, todos nos enquadramos em todos os diagnósticos psiquiátricos, em momentos diferentes de nossa vida. É muito claro, as doenças psiquiátricas nada mais são que exageros patológicos de características que todos temos. Mas algumas vezes nós enganamos o mundo, inclusive a nós mesmos.

Veja o meu caso, por exemplo.

Todo mundo pensa que eu sou um cara sempre alto astral, de bom humor, otimista ao extremo. Que acredita que tudo sempre dá certo.

Mas não é bem assim, e só descobri há pouco.

Tudo isso é verdade, mas a causa é outra: estou sempre à espera da Inevitável Tragédia. Aquela, que como o Big One, o terremoto que vai dizimar a Califórnia em algum momento no futuro, mais cedo ou mais tarde vai se abater sobre mim. O meu bom humor diário é porque, ao acordar, percebo que ainda não fui atingido por ela.

Hum…

Quem sabe a Inevitável Tragédia que eu esteja esperando seja realmente o terremoto na Califórnia, o que impediria a minha mudança para lá (não sei se contei, mas em algum momento no futuro vou largar tudo, me mudar para a Califórnia, comprar uma prancha e virar surfista).

E isso explica porque não me mudei para lá ainda.

Para evitar a Inevitável Tragédia.

Até.

Um comentário:

Ana disse...

De louco todo mundo tem um pouco ;)