sábado, abril 09, 2005

Dicionários (3)

Sim, eu falo o porto-alegrês.

É inevitável, afinal sou daqui. Nunca tinha me dado conta, por exemplo, de como falo 'Bá' até estar num congresso em Gramado/RS e ficar no mesmo hotel de umas colegas médicas de São Paulo. Em dois minutos de conversa, devo ter falado uns cinco 'bás'...

Alguns vocábulos do 'Dicionário de Porto-Alegrês':

A Facão - Diz-se de algo que foi mal feito, ou feito às pressas, que foi feito a facão, isto é, sem o instrumento adequado, sem o refinamento exigido. Parecido com "à moda miguelão" (v.).

A Fu - Ver "a fuder".

A Fuder - Pela ortografia brasileira deveria grafar-se "a foder", mas pe "a fuder" a expressão, que tem uma forma contrata, "a fu", que também se diz, malandramente segundo critério popular, "a fuzel"; designa aquilo que é muito bom, de alta qualidade, tanto uma situação ("Tava uma festa a fuder") quanto um sujeito ("Bá, esse cara é a fuder").

A La Louca - Expressão adverbial que descreve o modo alucinado com que alguém faz alguma coisa. "O cara veio a toda e entrou a la louca aqui na esquina", por exemplo. Aquele "la" deve ser platinismo, e se usa em outras expressões como "a la merda", "a la putcha", "a la fresca".

A Perigo - Estar "a perigo" é o mesmo que estar "na unha": em situação limite, nas últimas, "matando cachorro a grito". Usado especificamente com relação a mulher, do ponto de vista do homem: cara que está a perigo é principalmente o cara que não transa há horas. Pode acontecer também com a grana.

Abobado - Trata-se de um insulto muito usado contra os xaropes em geral; comporta variações: "abobado da enchente", alguns dizem que devido á famosa enchente de 1941, quando Porto Alegre submergiu; "abobado da tiriça", expressão que pode ser derivada de icterícia. Tem também "abobado da punheta", insinuação de que, conforme a velha idéia, o exercício reiterado da masturbação deixa o cara meio louco da cabeça.

Bailar na curva - Tem o sentido genérico de perder o rumo, ser posto pra fora de algo, por aí; o mesmo que "tomar um baile". O Júlio Conte escreveu e dirigiu uma peça que fez muito sucesso anos atrás, chamada justamente "Bailei na Curva", nome que expressava fortemente a vigência do termo entre nós e ajudou a perpetuá-lo. Também se diz "sobrar na curva", aqui em analogia com um carro que saia da pista numa curva.

Bater as botas - Morrer. V. "esticar as canelas".

Churrio - Nome mais ou menos elegante da caganeira, da diarréia, vinda diretamente do espanhol chorillo.

Colorado - Sujeito de alto discernimento espiritual, que prefere torcer por um time de elvados méritos, o Sport Club Internacional, ainda que perdedor. Diferente do gremista, que é um sujeito melancólico, raivoso, de baixa espiritualidade. Vem direto do espanhol, em que tem sentido de "da cor vermelha", que aliás é linda, sem nenhum preconceito.

Cu-doce - Expressão das mais interessantes, que não imagino como terá nascido. Quer dizer o seguinte: um sujeito que fica fazendo onda para aceitar um presente, ou um sujeito que fica se fresqueando para dar cabo da tarefa, ou fica se fazendo de difícil, é um cara que está fazendo cu-doce. Foram criados derivativos, mais amenos, como ânus glicosado, por exemplo, que é para usar o termo em família.


(continua)

4 comentários:

Zila disse...

Mas Bah, gostei viu!

Ana disse...

Rsrsrsrs Adorei!

Monique disse...

Oi Marcelo; Acabei de descobrir que uso muitas das expressões do sul como: cu-doce, bater as botas, abobado .... bjs,

Raquel disse...

Oi Marcelo,

Moro em POA e estou indo em junho para Toronto. Se puder entrar em contato, seria bom ter algumas dicas. Assim não chego tão perdida :)
Obrigada!