sexta-feira, abril 22, 2005

O Descobrimento do Brasil

Pela primeira vez, estou fora do Brasil num dia vinte e dois de abril, data do descobrimento. Talvez por estar longe, tenho pensado muito no país, sob muitos aspectos. O que fazer para melhorá-lo, qual o meu papel neste processo. O que eu posso fazer?

Como a minha pós-graduação, doutorado defendido em dezembro, foi feita com bolsa da CAPES, tenho a obrigação – moral, ao menos – de retornar ao Brasil e pagar, com trabalho, pesquisa, dedicação, o investimento que foi feito em mim. Enquanto fora, penso sobre a situação do país e as formas de nos tornamos um país melhor para todos. Educação, essa é a chave para tudo, sem dúvidas.

Como forma de homenagear a data, uma canção da Legião Urbana, das mais bonitas, cujo título é justamento ‘O Descobrimento do Brasil’.

Ela me disse que trabalha no correio
E que namora um menino eletricista
Estou pensando em casamento
Mas não quero me casar

Quem modelou teu rosto ?
Quem viu a tua alma entrando ?
Quem viu a tua alma entrar ?
Quem são teus inimigos ?
Quem é de tua cria ? A professora
Adélia, a tia Edilamar e a tia
Esperança

Será que você vai saber
O quanto penso em você com
o meu coração ?

Quem está agora ao teu lado ?
Quem para sempre está ?
Quem para sempre estará ?

Ela me disse que trabalha no correio
E que namora um menino eletricista
As família se conhecem bem
E são amigas nesta vida

Será que você vai saber, o quanto
penso em você com meu coração ?
Será que você vai saber, o quanto
penso em você com o meu coração ?

A gente quer um lugar pra gente
A gente quer é de papel passado
Com festa, bolo e brigadeiro
A gente quer um canto sossegado
A gente quer um canto de sossego

Estou pensando em casamento
Ainda não posso me casar
Eu sou rapaz direito
E fui escolhido pela menina mais bonita.

(Marcelo Bonfá / Renato Russo)

Um comentário:

Deise disse...

Engracado vc comentar sobre sua bolsa da CAPES e sua "divida" moral (?) com o pais...
Lembrei da minha situacao, da doutrina de minha famiia de nunca utilizar nada do governo (dizia meu pai: porque ha sempre quem precise mais que a gente)...Estudei a vida toda em escola particualar, inclusive universidade e pos-graduacao, nossos medicos sempre foram particulares, inclusive para cirugias (nem plano de saude nunca tivemos)...Talvez me pese menos a consciencia pensar desse modo (porque sempre havera alguem apontando "abandonou a patria"...).
Beijos!