terça-feira, julho 19, 2005

Muitas culturas (ou não)

Uma das primeiras coisas que me disseram quando cheguei no Canadá, e que já havia lido ainda bem antes de vir para cá, é que Toronto é a cidade mais multicultural do planeta.

Ao começar a conhecer melhor a cidade, a circular pelas diferentes regiões, andar de metrô, percebi que o que eu entendia por multiculturalismo não estava exatamente certo. Na minha visão, significava diversas culturas se integrando, formando uma nova cultura com características de cada uma das que a compõe. Ingenuidade minha.

“Multiculturalismo” é exatamente o contrário. É as pessoas, mesmo morando em outro país, manterem suas próprias tradições, e seu idioma. É positivo, nossas origens e tradições são importantes, eu sei, mas há o outro lado. Tudo bem que não percam suas raízes, seus costumes, mas ao mudar para um novo país, deve-se assimilar a cultura local, integrar-se ao way of life da nova pátria. E, aqui em Toronto (no Canadá, e em outros locais do mundo), isso não acontece.

Acaba-se – como em Toronto – como um mosaico de guetos, ou ilhas, convivendo num espaço próximo. As pessoas de mesma origem, portugueses, chineses, italianos, gregos, por exemplo, vivem numa mesma região, e o idioma mais comum ali é o da etnia do gueto, há rádios, jornais. Num exemplo mais extremo, há canadenses vindos de Portugal, morando aqui há mais de trinta anos, que não falam inglês! As novas gerações, claro, aprendem os dois idiomas, o nativo dos seus pais e o inglês, e é como se morassem num pedaço de Portugal (exemplo, de novo) na América do Norte. E esse fenômeno pode levar à incapacidade de criar raízes, ligações afetivas com o país.

Parte das causas dos atentados de Londres do dia 07 de julho pode ser explicada através dessa idéia. Sabe-se que os responsáveis por isso eram britâncicos, nascidos na Inglaterra, de pais paquistaneses. Ou seja, segunda geração de imigrantes. Ao que se sabe, todos se sentiam outsiders, estrangeiros no país em que nasceram. A falta de integração ao novo país está na gênese de tudo.

Pois é, talvez o multiculturalismo não seja tão motivo de orgulho assim…

Até.

9 comentários:

Ninne disse...

Nossa, eh isso mesmo, concordo!

Estava comentando isso com uma amiga uns dias atras.Faz total sentido.

Sobre o veleiro do tio Andy, ih, nem sei quanto mede o negocio, mas tem um tamanho legal. Sei que vc tbm eh velejador desde crianca, neh, estava lendo uns posts antigos seus.

Eu confesso que nao sou muito chegada, sabe, fico enjoada.:( Tomei 2 comprimidos de Gravol antes do passeio, mas nao adiantou. Aih me puseram para guiar o barco, pois dizem que ajuda a passar o enjoo. Eh verdade?

beijinho, t+

Ana disse...

Eu tambem. Por isso que voce nao me ve totalmente enfiada em bairro brasileiro, com amigos brasileiros ao redor 24 horas por dia. Eu tenho a minha cultura, eu sei muito bem de onde eu vim, mas eu quero me integrar pra poder me adaptar melhor a nova terra, e a nova cultura. Seu texto foi muito bom, com um topico que precisava ser discutido. Beijos

Allan Robert P. J. disse...

Multicuturalismo é sinal de retrocesso. Até mesmo o progresso biológico (nossa! eu estou escrevendo isso para um médico) se vale da miscigenação. Não se integrar é preferir viver em guetos e não aproveitar o que o novo país tem a oferecer. Miscigenação mesmo, só no Brasil.
Ciao

Luly :) disse...

Concordo totalmente!!!

No domingo mesmo, vendo na TV uma reportagem relacionada assassinato de Theo Van Gogh (que fez um filme sobre a violência contra as mulheres nas sociedades islâmicas), eles diziam que a sociedade muçulmana se sente discriminada quando moram em outros países e acabam se juntando em guetos. Eu até comentei com o Wander, que eles mesmo se isolam, não aceitam a cultura local, não querem nem mesmo aprender a língua e depois se dizem discriminados? Inclusive tem uma moça que hoje é membro do parlamento holandês (Ayaan Hirsi Ali), que tem sido ameaçada de morte depois que resolveu abandonar as crenças deles.
Claro que to generalizando, e qualquer generalização é burra, mas acontece muito isso, e não só com os muçulmanos, como vc mesmo citou no texto.

Bacana o post!

Bjoca

Luly :)

Monique disse...

Concordo plenamente. É uma pena que as pessoas são tentam se integrar ao novo país', tentar conhecer novos hábitos. Claro que a cultura de cada um se mantem, mas da forma que está aqui em Toronto não vejo como um ponto positivo.

Eu conheçi uma Iraniana que gostaria de fazer mais amigos em Toronto, porem ela não queria fazer parte do grupo cultural dela, pois corrreria o risco de ser obrigada a usar o véu que cobre a cabeça.

Gostei do tópico. Abrçs,

Mirella disse...

Ich... essa post vai dar o que falar.
O duro é que concordo e discordo com esse modo do Canada e da Inglaterra de lidarem com os imigrantes.
Eu acho importante que a cultura seja mantida, veja nós brasileiros, embora sejamos brasileiros 100%, adoramos falar de nosso background italiano, dinamarques ou whatever.
Eu acho que é muito especial o modo como o Canada trata o fato do multiculturalismo e na minha opinião é por isso que tantas pessoas amam o Canada e não o trocam pela sua patria nativa.
O que aconteceu na Inglaterra foi uma fatalidade de gente louca, sem caracter e covarde... tanto faz se eles nasceram ou não na Inglaterra, isso ia acontecer de uma forma ou de outra... estão falando agora que o próximo alvo é a Italia... o proximo alvo deveria ser a cabeça deles, isso sim!
Eu acho que essa forma do Canada aceitar e apoiar o multiculturalismo é a melhor forma dos canadenses aceitarem uma "invasão" de imigrantes e ao mesmo tempo de inserir aos poucos e sem choque o modo de vida local.
Nos EUA por exemplo isso não acontece e por mais que existam mais imgrantes aqui, eles não são aceitos de forma tão bonitinha quanto no Canada... os guetos são maiores e mais rancorosos, e nem sao somente os guetos de imigrantes que estou falando, tem os negros também.
Mas sei lá... esse é um papo para sentar e conversar, pois poderiamos ficar escrevendo pra sempre aqui.
Adorei o post!

Mirella disse...

Só mais uma coisinha...
Deve ser responsabilidade dos imigrantes se integrarem ao ambiente local, de falar a lingua local, do contrario, qual o objetivo da imigração...
Tudo culpa do governo que os aceitaram????

Laila disse...

Oi Marcelo,
Concordo totalmente com o que vc escreveu. Não existe por aqui uma identidade canadense, mas sim: indiana, chinesa, portuguesa e por aí vai. Uma pena, o país seria muito mais forte se as pessoas se orgulhassem por serem canadenses e não qualquer outra coisa com cidadania canadense.
Beijos, Laila.

Anônimo disse...

Olá amigo tudo bom?
Gostei muito do seu site ... faz parte de um conjunto de idéias inteligentes
e interessantes para quem quer conhecer outras culturas...
Antes de tudo gostaria de me apresentar...
Meu nome é Renato e moro numa cidade interior do Rio de Janeiro...
Desculpe por te escrever dessa forma mas você nem imagina quão grande
é a minha vontade de morar e trabalhar nesse país do qual vc esta
vivendo no presente momento...Canadá...sendo por isso que pesquiso
tanto a fundo sobre tal país...
Bem...gostaria de saber se você pode me ajudar com tais informações
se não houver problema pra vc é claro...
Poderia me responder?

Agradeço de antemão pela sua atenção e importância de ler esse e-mail..

Valeu!
renato_bad_lover@hotmail.com
Renato Rodrigues...