sexta-feira, julho 29, 2005

Se eu fosse mulher

Em primeiro lugar, caro leitor do sexo masculino, eu não seria para o seu bico. Você não teria a menor chance. Melhor você pensar em outra coisa. Na campanha da Ponte Petra no Campeonato Brasileiro de Futebol da Série A, por exemplo.

Se eu fosse mulher, e estivesse grávida, certamente eu iria escolher ter o meu filho por parto normal. Só “aceitaria” me submeter a um parto cesário se houvesse algum risco para mim ou para o bebê (que seria informalmente conhecido por “girino”, mas isso não vem ao caso).

Por que desse papo? Porque me envolvi numa discussão pela internet por causa do assunto. Explico.

Ainda antes de vir para Toronto, enquanto pesquisava sobre a cidade, aspectos práticos da vida aqui, acabei conhecendo uma lista de discussão na internet chamada “ Canada Immigration”. Não era bem o meu caso, eu não seria um imigrante, no máximo um morador temporário, mas fui ler para conhecer. Li uma única vez, porque não era o que eu estava procurando. Como o nome dizia, era para novos ou futuros imigrantes aqui. Nunca mais entrei de novo.

Há pouco tempo, cerca de um mês, a Luh, criou e gerencia uma lista de discussão do nosso grupo de ‘blogueiros e simpatizantes’ aqui de Toronto. É uma lista de discussão do Yahoo, e quando me cadastrei, vi que eu ainda fazia parte da primeira lista, e fui dar uma nova conferida, como bom viciado em internet que sou. Primeiro tópico de discussão que me chama atenção: ‘parto no Canadá’.

Adivinhem se não entrei numa polêmica? Claro que sim, mas era inevitável. Primeiro porque falavam do sistema de saúde (como eu comentei há dois dias atrás aqui neste blog) e segundo porque discutiam assuntos relacionados a procedimento em si, o parto. Muita desinformação, claro, e o meu primeiro intuito sempre é dar uma versão de alguém que tem algum conhecimento do assunto, mesmo que não seja minha área específica.

Até que surgiu o papo de que aqui no Canadá os médicos não querem fazer cesariana, só o parto normal, e que este não teria analgesia, que isso era uma escolha da mulher, etc.

Escolha da mulher?

Não aguentei. Tive que falar. A alta frequência de cesarianas no Brasil é uma aberração brasileira, que até a Organização Mundial da Saúde considera errado. Pelas mais variadas razões. E vi jogarem a culpa exclusivamente nos médicos. Ops, vamos com calma. Existe, sim, parcela de culpa dos médicos, até concordo, mas conheço muita mulher que diz que não quer ter parto normal de jeito nenhum.

É cultural, alguém argumentou.

Apenas porque é uma prática corrente quer dizer que está certa? Quantos exemplos conhecemos de práticas de povos ou países ou religiões que, mesmo sendo culturais, sabemos ser erradas e combatemos. Até bem pouco tempo atrás, não mais que cem anos, meninas de menos de quinze anos casarem era normal. Isso hoje é estupro e pedofilia. Era certo e não é mais? Pois é.

A mensagem é que o parto cesário deve ser para os casos em que há risco para a mãe ou para a criança. Sempre que possível, parto normal. Ah, e é uma decisão médica, não da mãe. Sem falar que hoje em dia existem métodos de analgesia que funcionam muito bem.

Tá, agora para de pensar como eu seria se eu fosse mulher.

Até.

3 comentários:

Ana disse...

Eu acho que o Brasil chegou a nivel de aberracao mesmo, todo mundo sabe. No Brasil o medico nao pode nem SUGERIR um parto normal, que a mulherada EXIGE a cesaria.

Mas ao mesmo tempo...
No meu caso?! Eu faria TUDO por uma cesaria. Eu nao dou conta de sentir muita dor nao. Por isso eu penso 29382938232 vezes toda vez que vejo um bebe fofo na rua. :P

Camilla disse...

Marcelo,

Sempre fui a favor do parto normal!!! Mas desde que cheguei por aqui, ja ouvi cada historia de parto, que fiquei me questionando. Continuo ainda a favor do parto normal, mas acho que tem que ser algo dentro de um limite basico, toleravel de dor, pra mulher nao sofrer tanto. ( ouvi falar de horas de dor, muitas horas, mesmo)

Monique disse...

Eu também sempre fui a favor de parto normal. Mas quanto a cesaria no BR, tem mesmo um índice muito alto e é assustador.

Algumas vezes pelo fato da mulher ter "medo" do parto normal e outras por comodismo do próprio médico, já que a cesária tem data pré definida, o que não faz o médico ter que sair correndo de um lado para outro e gastar algum tempo no processo normal de nascimento de um bebe.

Mas deixo uma pergunta: Mesmo sendo parto normal, em alguns casos a mulher recebe anestesia ??

Abrçs,